quarta-feira, 18 de abril de 2012

Apesar da greve, atendimento no CHS é normal


Sindicato dos Trabalhadores Públicos do Estado de SP afirma paralisação, mas serviço é pouco afetado



A advogada Marisa Gonçalves, 62 anos, esperou pelo menos cinco horas nesta terça-feira (17). Mas pela ambulância, que a levaria de volta a Araçoiaba da Serra, cidade onde mora. O atendimento no CHS (Conjunto Hospitalar de Sorocaba), ontem, foi tranquilo, afirma. Na unidade desde as 7h, fez exames de ultrassonografia. “Houve uma tentativa de paralisação pela manhã, em vão. Agora estão falando em morosidade”, diz ela, enquanto esperava seu transporte.  “O exame foi realizado às 13h, pedi a ambulância às 13h30, mas até gora (17h30), não chegou.”

Sem surpresa/ Mesmo com a proposta de paralisação anunciada pelo Sind Saúde (Sindicato dos Trabalhadores Públicos da Saúde no Estado de São Paulo), na manhã desta terça-feira (17), o CHS (Conjunto Hospitalar de Sorocaba) funcionou normalmente, com atendimento à população. Ontem, representantes do Sind Saúde da região de Sorocaba foram ao CHS estimular servidores da saúde, entre eles, enfermeiros e auxiliares de enfermagem, a aderir à paralisação por melhorias de condições de trabalho e reajuste salarial.

A diretora regional do Sind Saúde, Maria do Amparo de Oliveira, quer pelo menos 70% dos funcionários aderindo à greve. “Os funcionários se mobilizaram”, diz. Os trabalhadores reivindicam reajuste salarial de 26%, aumento do vale alimentação de R$ 4 para R$ 15, entre outras. O reajuste aprovado pelo governo do Estado foi de 7%, no ano passado, segundo o sindicato.
 

O sindicato denuncia que não há materiais hospitalares e medicamentos suficientes para os pacientes.
A Secretaria do Estado da Saúde informou que não há paralisação dos funcionários no CHS. A orientação da pasta é para que a população entre no hospital, mesmo se for informada por sindicalistas de que há paralisação do atendimento. A secretaria informa, também, que mantém diálogo com o sindicato. A secretaria nega a falta de material e medicamentos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário