sábado, 12 de agosto de 2017

Documento aponta esgoto sendo jogado nos rios e que a Estação de Tratamento não resolve todos os problemas...


Vamos começar a mostra o contrato da SABESP com a prefeitura de São Roque e deixar os fatos falarem por si….
O documento que este Blog teve acesso deveria ser público e no mínimo também a Sabesp deveria dar publicidade a todos os contratos programas com as cidades e  também de sua execução.Isto deveria ser o mínimo  a ser feito e de respeito com a população.
Em novembro de 2011, a Engecorps fez o plano municipal integrado de Saneamento Básico e coloco   link da entrega do plano a cidade (http://www.saoroque.sp.gov.br/portal/noticias/0/3/2248) .
Vejamos o que fala o item 3.2  sobre o sistema de esgotamento Sanitários  e veja na integra  na foto que disponibilizo:
O estudo mostra que 70% dada população urbana é atendida pela rede coletora de esgoto e em junho de 2010 havia 11687 ligações. Segundo o Texto, “São Roque apresenta uma extensão aproximada de rede de esgoto de 136 Km, includo a rede do distrito de São João Novo (5,2 Km). A extensão dos emissários é de 1,3 km. Além disto, o sistema conta com três estações elevatórias de esgoto. No distrito de Mailasqui não existe rede coletora”.
Vejam nesta passagem do documento o preço da omissão  da Sabesp estes anos todos:

“O município de São Roque não dispões de estação de tratamento de esgotos, sendo o esgoto lançado in natura em cursos d´água na cidade ou em fossas sépticas”.




No ponto 3.2.2 destaco outro problemas para que todos saibamos os problemas que ainda teremos:

“convém salientar. Que a carga poluidora da cidade de Mairinque, que não  possui ainda sistema de tratamento implantado, poderá provocar a continuidade da poluição do córrego do Marmeleiro, mesmo após a entrada em operação do interceptor e da ETE Guaçu em construção”. E ainda apontou que “ há muitas ligações irregulares, que lançam esgoto na rede pública de águas pluviais conectadas na rede pública de esgotos”.
A estação de tratamento de esgoto em Mairinque ainda não foi concluída e suas obras talvez estejam começando.
Estes Trechos mostram o tamanho do crime ambiental cometido, talvez por isto este estudo nunca veio a público.

Fiz um conta básica, em mais de 30 anos que a Sabesp operou no primeiro contrato que se encerrou em 2009 e até o momento, se tivéssemos pagando 10 reais por mês para o tratamento de esgoto, este valor representaria algo como R$ 56 milhões.
Agora uma pergunta que não quer calar: quanto vamos precisar gastar para corrigir este crime ambiental de poluir os rios devido a inércia da SABESP?
Veja o vídeo que circula na cidade denunciando a obra da sabesp :

https://www.facebook.com/anapaulinha.paulinha.90/videos/1969069083340089/

https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=307412356335570&id=100012004244578


Nenhum comentário:

Postar um comentário