terça-feira, 30 de setembro de 2014

RodapéNews - Edição de 30 de setembro de 2014

Outlook.com Exibição Ativa
Governo de SP proíbe Plebiscito Popular em escolas estaduais
Além de impedir as urnas na escola, a Secretaria Estadual de Educação proibiu a discussão sobre o plebiscito pela reforma política nas salas de aula.
00:02:33
Adicionado em 20/09/2014
602 exibições


FALTA DE PLANEJAMENTO E "ESPERTEZA" DO GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN QUE, PENSANDO APENAS EM SUA REELEIÇÃO NÃO ADOTOU MEDIDAS CORRETAS PARA MINIMIZAR A FALTA DE ÁGUA NO ESTADO DE SP HÁ MAIS DE 9 MESES, PODE LEVAR CIDADES PAULISTAS AO COLAPSO NAS PRÓXIMAS SEMANAS

FALTA D'ÁGUA EM ITU (SP) REVOLTA POPULAÇÃO E TORNA A CIDADE UM "BARRIL DE PÓLVORA"

"QUEREMOS ÁGUA!", ESTE GRITO PODE SE REPETIR EM OUTRAS CIDADES APÓS AS ELEIÇÕES
Folha
Após horas de protesto, moradores ateiam fogo em caçambas em Itu (SP)
Mais de quatro horas após o início de um protesto de moradores contra a falta de água em Itu (a 101 km de São Paulo), manifestantes atearam fogo em caçambas nas ruas do centro histórico da cidade.
Com isso, a polícia deteve sete pessoas sob suspeita de participarem do incendiar das caçambas, sendo que quatro delas são menores de idade. Todos eles foram encaminhados à delegacia.
O protesto começou por volta das 16h em frente à prefeitura. Uma comissão foi recebida na sede da administração municipal pelo porta-voz do comitê montado para monitorar a crise hídrica na cidade, Marco Antônio Augusto.
Por volta de 19h15, parte dos manifestantes se reuniu diante do condomínio onde mora o prefeito da cidade, Antônio Tuíze (PSD), que estava na capital paulista.
Eles chegaram a forçar o portão de entrada, gritando: "Queremos água!" A polícia acompanhou todo o protesto

Bom Dia, SP - 30/09/2014
Vídeo: Moradores de Itu (SP) voltam a protestar contra falta de água

G1 / Jundiaí 
Após protesto pacífico, vândalos promovem tumulto pelas ruas de Itu
Grupo chegou a virar caçambas e atear fogo em lixeiras. 
Dois rapazes que incitavam a violência foi detidos pela polícia

ALCKMIN PODE TER COMETIDO ATO DE IMPROBIDADE POR OMISSÃO E SER RESPONSABILIZADO PELO COLAPSO DO SISTEMA CANTAREIRA

DE ACORDO COM A FOLHA, RACIONAMENTO EM SP - PROPOSTO ANTERIORMENTE PELA AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS EM JANEIRO DE 2014 E NÃO ACEITO POR ALCKMIN -, SÓ SERÁ CONCRETIZADO APÓS SUA REELEIÇÃO
Folha
Plano prevê interrupção diária de retirada de água no sistema Cantareira
Um plano para lidar com a crise hídrica em São Paulo, a ser discutido nesta semana, prevê a restrição e até a interrupção diária da captação de água no sistema Cantareira, que enfrenta sua maior seca.
Para especialistas, se posta em prática, a estratégia poderá implicar a adoção de um racionamento na Grande São Paulo pouco depois das eleições do próximo domingo (5).
O plano está descrito em um documento timbrado com as logomarcas do departamento estadual de águas (DAEE) e da agência federal que regula o uso de recursos hídricos no país (ANA).
Procurado pela Folha, o órgão paulista não nega a autenticidade do documento, mas atribui a autoria da proposta à agência federal. A ANA afirma que a estratégia foi elaborada em conjunto.

LEMBRANDO: ANA PROPÔS RACIONAMENTO DE ÁGUA EM SP NO INÍCIO DO ANO, QUE FOI DESCARTADO POR ALCKMIN, O "POLÍTICO ESPERTO"
Estadão - 08/04/2014
ANA recomendou em janeiro racionamento de água em SP
A Agência Nacional de Águas (ANA) recomendou em janeiro deste ano a adoção de racionamento em São Paulo para evitar um colapso no Sistema Cantareira. É o que
informa um boletim de monitoramento divulgado nesta terça-feira, 8, pelo Ministério Público do Estado de São Paulo. De acordo com o documento assinado pela promotora Alexandra Faccioli Martins, o boletim refere-se às condições dos reservatórios do Sistema Cantareira e informa que "foi realizado ajuste na vazão limite de retirada para atender plenamente a prioridade 1". Na observação, destaca a promotora, consta a palavra "racionamento" em vermelho

ALÉM DE CRIMES AMBIENTAIS PREJUDICANDO SISTEMA CANTAREIRA, RESULTADO DA OMISSÃO DA FISCALIZAÇÃO DA CETESB -  EMPRESA DE ECONOMIA MISTA SOB COMANDO DO GOVERNO ALCKMIN -, OLARIAS  DA REGIÃO DE BRAGANÇA PAULISTA (SP)  EXPLORAM  TRABALHO DE ADOLESCENTES EM CONDIÇÕES PERIGOSAS E INSALUBRES
Viomundo
Luiz Malavolta: Mais uma explicação para a falta d’água em SP
Veja vídeo da TV Record 
http://www.viomundo.com.br/denuncias/luiz-malavolta-mais-uma-explicacao-para-falta-dagua-em-sp.html

MUDANÇA DE HÁBITO POR CAUSA DA FALTA D'ÁGUA
JN - 29/09/2014
Desabastecimento de água muda hábitos até na hora de lavar roupa em SP

ELEIÇÕES 2014

MARINA SIMPLESMENTE DESPIROCOU AO NÃO ASSUMIR QUE MENTIU SOBRE VOTAÇÃO DA CPMF
Folha
Alvo do PT, Marina se contradiz sobre CPMF
Alvo de acusação do PT de que mentiu sobre seu passado legislativo, Marina Silva (PSB) apresentou versões contraditórias a respeito de sua participação nas votações relativas à CPMF, o chamado "imposto do cheque", que vigorou no Brasil do início dos anos 90 até 2007.
Diferentemente do que vinha dizendo, a candidata do PSB votou, quando era senadora, quatro vezes contra o tributo --duas na emenda à Constituição enviada em 1995 por Fernando Henrique Cardoso (PSDB) para criá-lo e duas em 1999, na votação de sua prorrogação.
Marina afirmava que, como prova de que não faz "oposição por oposição", havia contrariado seu então partido, o PT, e votado a favor da CPMF proposta pelo governo tucano. Mas, na verdade, só votou a favor da regulamentação da cobrança

Estadão - 30/09/2014
Votação da CPMF vira arma contra ex-ministra

MARINA É CANDIDATA DO AGRONEGÓCIO, AFIRMA SEU ASSESSOR  JOÃO PAULO CAPOBIANCO
Estadão
Marina é ‘maior aliada’ do agronegócio, diz assessor
Representante da candidata em evento do setor defende propostas da ex-ministra e afirma que agenda sustentável é exigência internacional

LIQUIDAÇÃO DA FATURA
Mosaico Político - 30/09/2014
PT nega, mas adota estratégia para tentar vencer no primeiro turno
A estratégia para o confronto direto com a presidenciável Marina Silva (PSB) já começou a ser usada no último fim de semana, a uma semana do primeiro turno da eleição

FIDELIX, TRUCULENTO E COM COMPORTAMENTO NAZISTA, INCITA PRÁTICA DE CRIMES HOMOFÓBICOS
Estadão - 
Fidelix vai ser acusado de incitar o ódio
Organizações de defesa dos direitos homossexuais e órgãos públicos vão apresentar denúncia coletiva contra declarações de candidato

SUPLICY DESISTE DE "FALAR VERDADES" SOBRE SERRA

SUPLA É UM GENTLEMAN
Folha - Coluna da Mônica Bergamo - 30/09/2014
Suplicy planeja atacar Serra, mas depois desiste
O PT pressionou Eduardo Suplicy a partir para o ataque contra José Serra, seu adversário na campanha para o Senado. No domingo, Suplicy disse à coluna que estava disposto a "falar verdades" e apontar contradições do tucano, que tem 37% das intenções de votos contra 30% do petista, segundo o Datafolha. Ontem, acabou desistindo. "Vou usar o pouco tempo de campanha que resta para continuar ressaltando os aspectos positivos do meu mandato."

MP E PF INVESTIGAM JOSÉ SERRA POR SUA PARTICIPAÇÃO NO CARTEL DE CORRUPÇÃO DE TRENS
A Tarde / Estadão - 29/08/2014
PF cita Serra como 'investigado' no cartel dos trens

ABCDMaior - 25/02/2014
MP investiga Serra por omissão sobre cartel do Metrô
O promotor Silvio Antonio Marques, do Ministério Público de São Paulo, abriu inquérito civil para apurar suposta omissão do ex-governador José Serra, na gestão de 2007 a 2010, em coibir a ação do cartel do Metrô e da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos).
O deputado João Paulo Rillo (PT) recebeu, na semana passada, ofício sobre o inquérito, instaurado em novembro de 2013, a partir de representação do próprio Rillo junto com os deputados Carlos Neder, Adriano Diogo e Francisco Campos Tito, todos do PT

PLEBISCITOS POPULARES: GOVERNOS DO PSDB EM SÃO PAULO DÃO TRATAMENTOS DIFERENTES PARA PLEBISCITOS SEMELHANTES

EM 2002, PLEBISCITO SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO BRASIL NA ALCA FOI AUTORIZADO PELO PSDB NAS ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS; EM 2014, PLEBISCITO SOBRE REFORMA POLÍTICA FOI PROIBIDO POR ALCKMIN
TVT
Vídeo: Governo de SP proíbe Plebiscito Popular em escolas 

RBA
Governo Alckmin impede votação e discussão de plebiscito nas escolas
Organizadores da consulta popular no ABC paulista acreditam que o comunicado do estado, impedindo o debate nas instituições de ensino, culminou numa ação truculenta das escolas para impedir a votação


Bancários anunciam início de greve para hoje

Sindicato pretende mobilizar toda a categoria, o que deve afetar o atendimento nos bancos de Sorocaba e região





Giuliano Bonamimgiuliano.bonamim@jcruzeiro.com.br

O Sindicato dos Bancários de Sorocaba e Região anunciou para hoje o início da greve que pretende mobilizar os cerca de 4.500 funcionários das 327 agências bancárias existentes na sua área de atuação. Esses profissionais prometem cruzar os braços por tempo indeterminado até que, segundo o sindicato, os bancos atendam às reivindicações da categoria. Uma proposta de 7% de aumento diante de uma inflação de 6,35% - o que representa um ganho real de 0,61%, foi feita pelos patrões, mas rejeitada pelos trabalhadores.

No ano passado, a greve dos bancários durou 23 dias e só terminou depois que a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) elevou de 6% para 8% (aumento real de 1,82%) o índice de reajuste sobre os salários, além do reajuste em outros benefícios.

O presidente do sindicato, Júlio César Machado, acredita que neste ano a greve não terminará antes do primeiro turno das eleições - agendado para 5 de outubro. "Quem sabe finalize antes do segundo turno", conta.

As últimas reuniões antes da deflagração da greve ocorreram ontem na sede do sindicato, situada na Vila Barão. Diretores das regiões de Itu, Itapeva e Itapetininga estiveram no encontro para definir a estratégia de atuação durante a manhã de hoje.

Aproximadamente 2.500 cartazes com a frase "Estamos em greve" foram impressos e distribuídos aos representantes dos sindicatos. Os papéis serão colocados nas fachadas das agências bancárias para alertar a população do fechamento das portas.

Somente em Sorocaba existem 104 agências bancárias. Machado preferiu não divulgar qual será a estratégia usada na manhã de hoje, mas tudo indica que a paralisação tenha início na região central da cidade - entre as ruas São Bento e 15 de Novembro.

Machado ressaltou que a categoria tentou durante 40 dias negociar com os banqueiros. "E todas as tentativas foram esgotadas", diz. "E as nossas reivindicações são mais sociais do que econômicas", completa.

A categoria quer um reajuste acima da inflação de 5,8%, além do 14º salário, piso salarial de R$ 2.979,25, participação nos lucros e resultados (PLR) de três salários base e mais uma parcela adicional de R$ 6.247. A lista de pedidos inclui ainda um auxílio creche no valor de R$ 724 e vales alimentação e refeição.

Com medo da greve, a pedagoga Elen Cristina Souza Santos, 24 anos, esteve ontem em uma agência bancária na região central para retirar dinheiro. O objetivo era fazer um saque - possível somente na boca do caixa - e pagar os pedreiros, que fazem uma reforma em sua residência. "Mas o sistema estava fora do ar. Agora eu não sei o que vou fazer, pois os bancos entrarão em greve sem previsão para voltar", comenta.

O autônomo Alexandre Alvarenga, 50, mora em Minas Gerais e veio a Sorocaba para visitar parentes. Segundo ele, a paralisação dos bancos prejudica os usuários do serviço. "Só quero ver quanto tempo isso vai durar", diz.

Já a balconista Renata Fekete, 32, não tem boas lembranças da última greve dos bancários. Em 2013, a categoria cruzou os braços em 19 de setembro e paralisou o serviço durante 23 dias consecutivos. "Por isso, precisei pagar R$ 162 de juros porque não consegui pagar no banco uma prestação do meu veículo", lembra.

Polícia Rodoviária apreende mais de 100 kg de maconha em Araçariguama

Apreensão foi feita no km 48 da rodovia Castello Branco; ninguém foi preso.

Droga estava dividida em 108 tijolos, dentro de duas bolsas.

Do G1 Sorocaba e Jundiaí
A Polícia Rodoviária apreendeu 113 quilos de maconha na rodovia Castello Branco, em Araçariguama (SP), nesta segunda-feira (29). Segundo a polícia, a droga foi encontrada em duas bolsas no acostamento do quilômetro 48 da rodovia. Ao todo, 108 tijolos e maconha foram encontrados, informou a Polícia Rodoviária. Ninguém foi preso.
Contrabando
Dois homens foram presos suspeitos de contrabando na tarde desta segunda-feira, também na rodovia Castello Branco, em Araçariguama. A apreensão foi no quilômetro 46.
Os suspeitos estavam com produtos eletrônicos, 250 munições de vários calibres, entre elas de uso restrito, e 200 comprimidos para disfunção sexual. Eles vão responder por contrabando e descaminho. Um deles foi responsabilizado pelo porte das munições e também vai responder por transporte ilegal de munição.
  •  
Polícia Rodoviária apreende mais de 100 kg de maconha em Araçariguama (Foto: Reprodução/ TV TEM)Entorpecentes estavam dentro de bolsas no acostamento da rodovia (Foto: Reprodução/ TV TEM)

Após protesto pacífico, vândalos promovem tumulto pelas ruas de Itu

Grupo chegou a virar caçambas e atear fogo em lixeiras. 

Dois rapazes que incitavam a violência foram detidos pela polícia.

Ana Carolina LevoratoDo G1 Sorocaba e Jundiaí
Após protesto pacífico, vândalos promovem bagunça pelas ruas de Itu (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)Vândalos viraram lixo de caçamba no meio da rua (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)
Depois de fazer um protesto pacífico em frente à Prefeitura de Itu (SP), na tarde desta segunda-feira (29), parte dos 500 manifestantes saiu às ruas da cidade para continuar o protesto. Segundo a Polícia Militar, cerca de 100 pessoas fizeram passeata por algumas vias do Centro e pequenos grupos promoveram atos de vandalismo.
Ainda conforme a PM, o grupo chegou a ir até a frente do condomínio onde mora o prefeito deItu, Antônio Tuíze, mas deixou o local após forçar o portão de entrada, porém sem sucesso. Durante a passeata, duas pessoas foram detidas e levadas à delegacia por atear fogo em lixo e danificar placas de trânsito.
Após protesto pacífico, vândalos promovem bagunça pelas ruas de Itu (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)Caçamba foi colocada no meio da via para impedir
o trânsito (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)
A situação em Itu é resultado da falta d'água que assola a cidade desde 5 de fevereiro deste ano, quando a concessionária Águas de Itu implantou o racionamento na cidade. No início, o rodízio era feito apenas nos bairros mais altos, onde a distribuição de água é mais difícil. Nos meses seguintes, o racionamento foi ampliado pelo menos mais três vezes e atualmente está em vigor na cidade toda.
Durante a passeata, os manifestantes interditaram a avenida Ermelindo Mafeie outros pontos importantes de circulação de veículos, como a rodovia que liga Itu a Jundiaí (SP).
Um grupo de vândalos chegou a virar uma caçamba de entulho no meio da via com o objetivo de obstruir a passagem de veículos. Algumas placas políticas também foram incendiadas pelos manifestantes, além de destruírem placas de trânsito pelo caminho. Alguns vândalos atearam fogo em lixo e materiais que encontravam pela rua. 
Após protesto pacífico, vândalos promovem bagunça pelas ruas de Itu (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)Dois foram detidos por promover e incentivar
tumulto em Itu (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)
O grupo seguiu até a avenida Otaviano Mendes, onde tomou a via. Eles sentaram na rua e usaram faixas com mensagens de protesto para chamar a atenção dos motoristas e pedestres que passavam pela via.
Policiais militares acompanharam o grupo e, ao constatar atos de vandalismo, fizeram a abordagem contra os baderneiros. Dois rapazes foram detidos e levados até a delegacia da cidade por promover e incentivar o tumulto e depredação.
Após protesto pacífico, vândalos promovem bagunça pelas ruas de Itu (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)Policiais acompanharam manifestação e apreenderam vândalos (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)
Após protesto pacífico, vândalos promovem bagunça pelas ruas de Itu (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)Mascarados atearam fogo em cavaletes de propaganda política (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)
Após protesto pacífico, vândalos promovem bagunça pelas ruas de Itu (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)Vândalos promoveram bagunça pelas ruas de Itu (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)
Após protesto pacífico, vândalos promovem bagunça pelas ruas de Itu (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)Dois rapazes foram detidos por vandalismo durante protesto (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)
Após protesto pacífico, vândalos promovem bagunça pelas ruas de Itu (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)Parte dos manifestantes fechou a avenida Otaviano Mendes, no Centro (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)
Protesto pacífico
Cerca de 500 pessoas estiveram na frente da Prefeitura de Itu, na tarde desta segunda-feira (29), para protestar contra a falta d'água na cidade. De acordo com a Polícia Militar, apesar do movimento estar pacífico, o policiamento foi reforçado em frente ao prédio do executivo. Durante o protesto, 70 guardas ajudaram no policiamento. Algumas garrafas com gasolina foram apreendidas, mas ninguém foi preso.
Policiamento é reforçado em frente à prefeitura durante protesto em Itu (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)Cerca de 500 pessoas estiveram na prefeitura
para protestar (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)
De acordo com a prefeitura, os funcionários foram liberados às 15h e o prefeito Antônio Tuíze não esteve presente durante o protesto. A prefeitura informou que ele cumpriu um compromisso, na capital paulista.
Os manifestantes usaram apitos e pediram para que fosse decretado estado de calamidade na cidade.
'Situação de guerra'
"Nós estamos em uma situação de guerra", é o que disse o secretário de Segurança e representante do comitê que cuida da gestão da água em Itu, coronel Marco Antônio Augusto. Apesar da declaração, ele afirmou para a imprensa e um grupo de manifestantes que não será decretado estado de calamidade pública em Itu.
Policiamento é reforçado em frente à prefeitura durante protesto em Itu (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)Secretário falou para a imprensa e manifestantes
que não decretará estado de calamidade pública
(Foto: Ana Carolina Levorato/G1)
Segundo ele, não existe requisitos na lei para que seja decretado o estado de emergência ou calamidade e que a Defesa Civil informou que ainda não há precedentes para isso.
De acordo com o secretário, o Comitê de Gestão de Água criado pela prefeitura, com apoio da Defesa Civil estadual, vai identificar a situação real de Itu. "O comitê é operacional. Nós vamos verificar se as coisas estão acontecendo", comenta.
Marco Antônio informou que foram identificados 17 bairros na região alta de Itu que não estão recebendo água pela rede de abastecimento. "Para esses bairros, é necessário o fornecimento de água por caminhões-pipa, que é feito com 44 caminhões". O secretário explica que, durante à noite, dez caminhões fazem o abastecimento nas áreas de saúde e educação."Nas regiões baixas, a água está chegando normalmente, dentro do rodízio". Apesar da medida não ser suficiente, como reconhece o secretário, a prefeitura está vendo para aderir mais caminhões para abastecer os moradores."Estamos vendo onde tem água na região para ir buscar", conta.
No início da noite, os moradores entregaram um documento ao secretário pedindo mais informações sobre o problema da falta de água em Itu. Os manfiestantes querem saber sobre três situações: o porquê da venda da concessionária da Águas de Itu para a empresa Águas do Brasil, explicação de não decretar estado de calamidade pública na cidade e, também, pedem um prazo para a prefeitura sanar a falta d'água. O secretário informou que deve responder as solicitações em 15 dias.
Três protestos na cidade
Este é o terceiro protesto em setembro contra a crise hídrica em Itu. Na semana passada, dia 22, cerca de dois mil moradores se reuniram nas ruas do Centro e caminharam até a Câmara Municipal. Um grupo conseguiu abrir à força o portão e invadiu o local e promoveu um tumulto com a PM.
Bombas de gás de efeito moral foram usadas para sispersar os manifestantes (Foto: Reprodução/TV Tem)Bombas de gás de efeito moral foram usadas em
protesto (Foto: Reprodução/TV TEM)
Já no dia 25 de setembro, mais pessoas foram novamente às ruas para protestar. A pé, o grupo foi até o comitê de campanha do ex-prefeito e candidato a deputado federal Herculano Passos Júnior (PSD). A polícia foi chamada para dispersar as pessoas e usou bombas de efeito moral.
De acordo com os manifestantes, ele seria o responsável pela crise no abastecimento de água na cidade. Eles também pedem para que o atual prefeito, Antônio Tuíze, decrete estado de calamidade pública na cidade. "Quinze dias sem água dentro de casa. Procura aí nos bairros, todos os bairros de Itu está assim. Não comandamos a natureza, mas se tivesse reservatório não seria o que é", afirma o estudante César Gabriel Dias.
Em nota oficial, a coordenação da campanha do candidato Herculano Passos lamentou os incidentes registrados na noite do dia 25 de setembro e afirmou que reforçou a segurança do local após os ataques, depredações e tentativas de invasão por vândalos infiltrados na manifestação.
 Entenda o caso
Os moradores de Itu enfrentam o drama da falta d'água desde 5 de fevereiro, quando a concessionária Águas de Itu implantou um racionamento na cidade. O problema é que os moradores reclamam que o rodízio de água não é cumprido como anunciado pela empresa e muitos bairros estão sem água há dias.
Há dezenas de relatos de pessoas que chegam a ficar 15 dias sem água. O abastecimento com caminhões-pipa também é alvo de reclamações. Até o atendimento ao consumidor gera queixas, já que muitas vezes o morador fica vários minutos no telefone e não consegue ser atendido. (Veja vídeo acima)
Em 25 de julho, a promotoria de Justiça do Ministério Público instaurou um inquérito civil para apurar a responsabilidade da prefeitura, da agência reguladora e da Águas de Itu no problema de abastecimento de água.
O MP também recomendou à prefeitura que decretasse estado de calamidade pública, o que permitiria realizar obras com mais facilidade, principalmente para aumentar a captação de água, já que o processo de licitação não seria necessário. A prefeitura não atendeu a recomendação, mas anunciou medidas para tentar contornar o problema, como a suspensão de todas as licenças para a construção de novos empreendimentos habitacionais.
 Em entrevista à TV TEM no dia 7 de agosto, o secretário de Assuntos Jurídicos da cidade, Denis Ramazini, afirmou que a recomendação do MP era desnecessária. "Acreditamos que isso [decreto do estado de calamidade] não era preciso, já que todos os serviços públicos como escolas, postos de saúde e a polícia estão funcionando normalmente. É possível o município dar uma resposta para o problema do abastecimento”, afirmou, na época. (Veja o vídeo ao lado)
O Ministério Público em Itu reforça a importância de que as reclamações sobre a falta d'água na cidade sejam registradas, já que os protocolos serão anexados no inquérito e encaminhados ao Poder Judiciário. O prédio do Ministério Público está localizado na Rua Goiás, 194, no bairro Brasil. Ao lado da Delegacia da Mulher.

Servente é inocentado após ficar quase dez anos preso

Léo Arcoverde

do Agora
Um homem de 29 anos foi absolvido e solto, após ficar nove anos e dez meses preso, respondendo à acusação de ter participado de uma morte em assalto (latrocínio) em uma loja de roupas esportivas na zona leste, ocorrida em 2004.
A decisão, do Tribunal de Justiça de São Paulo, foi dada em resposta a um pedido feito pela Defensoria Pública do Estado.
Ele trabalhava como servente de pedreiro e ajudante de entregas ao ser preso, em agosto de 2004, aos 19 anos.
E deixou a penitenciária de Flórida Paulista (592 km de SP) em junho deste ano.
Segundo a defensora Maria Carolina Pereira Magalhães, o rapaz foi preso preventivamente e condenado em primeira e segunda instâncias "com base em meros indícios alegados durante a fase de inquérito policial e não comprovados judicialmente".