domingo, 5 de julho de 2015

Sorocaba tem 52.293 pessoas em situação de pobreza

 

   



Sorocaba tem, atualmente, 52.293 pessoas em situação de pobreza, aquelas que sobrevivem com renda de até R$ 154 por mês, segundo dados da Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes). O número representa 8,2% da população total do município, conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A estimativa é de que 15.232 famílias nessa condição estejam espalhadas pelas periferias da cidade, número que caiu 28% em 2015 depois de aumentar 23% nos últimos quatro anos. Apesar de terem direito a receber o benefício do Bolsa Família, apenas 60,9% dessas famílias têm acesso ao programa, que concede o valor mensal médio de R$ 133, de acordo com o Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS). 

Analgésicos devem ser usados com cautela para evitar danos

William Cardoso

do Agora
Um remedinho para acabar com a dor pode mascarar uma doença mais grave.
Segundo especialistas, o abuso no consumo de analgésicos pode trazer danos à saúde, como gastrite, úlcera, lesões no fígado e rim e piora da insuficiência cardíaca.
"É preciso fazer um diagnóstico correto do que está causando aquela dor. A pessoa está com uma dor de cabeça, toma analgésico e pode atrasar o diagnóstico de um tumor cerebral ou trombose, por exemplo", diz o neurologista do Hospital das Clínicas Mateus Trindade.
O neurologista afirma que a busca por analgésicos pode ter causas diversas.
"Muitas vezes, quem tem dor crônica tem também depressão ou transtorno de ansiedade. Esse perfil também facilita a busca por analgésico. Preço e disponibilidade também convergem para que pacientes tenham acesso a esse tipo de medicamento."

Lenda de pavilhão de ETs na Unicamp resiste há 20 anos

Stephane Sena

do Agora
Quase 20 anos depois, o caso ET de Varginha (MG) ainda movimenta pesquisadores da ufologia (ciência que estuda objetos voadores não identificados).
Na internet circula o boato de que o Brasil manteria, desde 1996, ano do suposto aparecimento do ET de Varginha, um centro de pesquisas com seres de outros planetas.
A área, conhecida como Pavilhão 18, estaria localizada em um laboratório subterrâneo próximo ao Instituto de Química da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e manteria seres vivos e mortos, inclusive o próprio ET de Varginha.
O espaço já seria chamado de Área 51 brasileira.
Ufólogos entrevistados pelo Agora disseram, no entanto, não acreditar na existência do Pavilhão 18.
"Tudo isso é mito e lenda urbana. A ufologia brasileira mais séria não leva em consideração tais boatos", afirma o ufólogo Gener Silva, membro da Comissão Brasileira de Ufólogos.

Universidade da 3ª idade reabre após 1 ano parada

Stephane Sena

do Agora
Após um ano e meio sem funcionar, a Uapi (Universidade Aberta à Pessoa Idosa), iniciativa municipal que oferece aulas para a terceira idade e pessoas interessadas em cuidar desse público, voltou a abrir as portas e já reúne cerca de 200 alunos, que estudam saúde, tecnologia, artes e humanidades.
Na sala de aula, a cena é a mesma de qualquer turma exemplar. Os alunos, com idade média de 60 anos, prestam máxima atenção às explicações do professor e, com os cadernos a postos, não deixam que nenhum detalhe importante da aula caia no esquecimento.
Aos 62 anos, o aposentado Moacy Joaquim Nascimento é aluno exemplar. Com mochila, caderno e caneta na mão, diz que voltar a estudar foi a realização de um sonho antigo.
"Trabalhei por 33 anos em uma indústria e nunca tive a oportunidade de fazer uma faculdade. Agora que estou aprendendo coisas novas, não quero mais parar", diz o aposentado, que já pensa nos próximos cursos.

Poupatempo fecha por uma hora por falta de água

Lara Vendramini

do Agora
O Poupatempo Sé, na praça do Carmo (Centro), ficou sem água ontem pela manhã e teve de fechar por uma hora. Cerca de 700 pessoas ficaram sem atendimento.
A unidade recebe, em média, 4.200 pessoas aos sábados pela manhã.
Sem água nos banheiros e bebedouros, a administração do Poupatempo decidiu fechar as portas por volta das 10h.
Os portões foram reabertos às 11h e o expediente foi até o horário normal (às 13h), mas ainda sem água.
A Sabesp explicou que a falha ocorreu porque teve que fazer reparos na rede.
O Poupatempo pediu desculpas e reafirmou o compromisso de manter o padrão de atendimento.

Aumentam furtos em ruas de comércio popular do Brás

Rafael Ribeiro

do Agora
O Brás (região central), uma das principais áreas de comércio popular da capital, registrou, até maio deste ano, aumento de 11,5% nos furtos em relação ao mesmo período do ano passado.
Reportagem publicada pelo Agora em junho mostrou que bandidos agem livres em ruas de comércio da região, como a avenida Rangel Pestana e o largo da Concórdia.
A tática é parecida: um bandido chama a atenção da vítima enquanto o outro subtrai o bem, preferencialmente em calçadas com grande movimento de pedestres.
Resposta
A Secretaria de Estado da Segurança Pública afirmou, em nota, que os pontos mais críticos são mapeados e que, por isso, a atuação nessas áreas é mais rigorosa.
Graças a esses métodos, afirma a secretaria, os crimes de roubo e furto tiveram queda geral em toda a capital, de janeiro a maio, em relação a 2014.
Ainda segundo a pasta, o número de prisões no período, 15.416, é 1% maior na comparação com o ano passado.
A secretaria afirma, ainda, que, realmente, os bandidos aproveitam do momento de distração das vítimas nas vias de maior circulação de pessoas para cometerem os seus crimes.

Chuva e blitz atrapalham último teste do Minhocão

PM usou faixa da rua Amaral Gurgel para fiscalizar motos e gerou lentidão na ligação Leste-Oeste

Tadeu Nunes e Thiago Santos

do Agora
A chuva e uma blitz realizada pela Polícia Militar contribuíram para deixar a região do Minhocão ainda com mais trechos de lentidão ontem à tarde, quando a prefeitura realizou o que chamou de "último teste" para o fechamento do elevado Costa e Silva aos sábados.
O Minhocão é normalmente fechado para veículos às 21h de sábado e reaberto às 6h30 de segunda.
A prefeitura pretende fechar o elevado de dia, aos sábados, de forma definitiva.
O objetivo é que a via seja usada para o lazer, como já acontece aos domingos e feriados.
O teste de ontem foi feito a partir das 15h –mesmo horário do primeiro teste, no último dia 20, quando ocorreu a Virada Cultural.

Recife está em estado de alerta por causa das chuvas

  • 04/07/2015 17h35
  • Brasília
Luciano Nascimento – Repórter da Agência Brasil Edição: José Romildo
Fortes chuvas no Recife levaram o prefeito Geraldo Júlio (PSB) a decretar hoje (4) estado de alerta. A chuvas acumulada nos últimos dez dias já ultrapassam 681,4 milímetros (mm), o dobro do previsto para junho. Somente nas últimas 24 horas, a Defesa Civil registrou volume de chuva de 118 mm, poucos dias após ter sido contabilizada a maior chuva dos últimos 29 anos, na última segunda (29), quando em apenas 24 horas choveu 228 mm, o equivalente a 16 dias do mês de junho.
O estado de alerta prevê maior mobilização das secretarias e dos diversos órgãos da prefeitura e amplia o contingente de pessoal envolvido nas ações de defesa e proteção civil. Na madrugada deste sábado (4), a Agência Pernambucana de Águas e Clima emitiu aviso meteorológico alertando para a possibilidade de fortes chuvas nas próximas 24 horas . "Áreas de instabilidade estão causando aumento da nebulosidade e ocasionando pancadas de chuvas com acumulados acima dos 30 mm", diz o comunicado.

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara, instalou na manhã desse sábado o Gabinete Integrado de Proteção Civil. O grupo recebeu do governador a missão de monitorar o estado e agir rapidamente em caso de agravamento da situação climática. Fazem parte do gabinete a Coordenadoria de Defesa Civil de Pernambuco (Codecipe), o Corpo de Bombeiros, a Polícia Militar e a Agência Pernambucana de Águas e Clima.
Neste sábado, um homem morreu em razão de deslizamento de barreira em São Lourenço da Mata, na região metropolitana do Recife. A cidade acumula 132 mm de chuvas nas últimas 24 horas, quando o esperado para todo o mês de julho é 151 mm. Três casas foram atingidas pelo deslizamento e sete estão interditadas para evitar novos acidentes.
“A situação inspira cuidados e estamos realizando o monitoramento diário do volume de precipitação. Segundo a agência, há a possibilidade de que a intensidade da chuva diminua agora no final da tarde e à noite”, disse à Agência Brasil o coordenador estadual da Condecipe, tenente-coronel Luís Augusto França.
Segundo o tenente-coronel, além da região metropolitana, as chuvas ocorrem na Zona da Mata Norte, principalmente nas cidades de Vitória de Santo Antão e Goiana, e Zona da Mata Sul, nos municípios de Cabo de Santo Agostinho, Ipojuca, Palmares, Ribeira, Água Preta e Barreiros. No Grande Recife, que abrange cidades ao redor da região metropolitana, os municípios de Abreu e Lima, São Lourenço, Igarassu e Camaragibe são os mais atingidos.

Dilma diz que confia em Obama e no compromisso de que espionagem acabou

  • 04/07/2015 17h01
  • Rio de Janeiro
Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil Edição: Juliana Andrade
A Secretaria de Comunicação Social (Secom) da Presidência da República divulgou nota afirmando que a presidenta Dilma Rousseff confia no presidente americano, Barack Obama, e em seu compromisso de que não haverá mais espionagem contra o Brasil e empresas brasileiras.
Segundo informações do site WikiLeaks divulgadas hoje (4), teriam sido interceptadas ligações de 29 números de telefone do governo brasileiro, incluindo a Presidência da República, o Ministério da Fazenda, o Banco Central e o Ministério das Relações Exteriores.
Segundo a nota, a presidenta Dilma considera o assunto superado. "Em várias circunstâncias, a presidenta Dilma Rousseff ouviu do presidente Barack Obama o compromisso de que não haveria mais escutas sobre o governo e empresas brasileiras, uma vez que os EUA respeitam os 'países amigos'".
Na nota divulgada pela secretaria, a Presidência da República afirma ainda que a parceria estratégica entre o Brasil e os Estados Unidos se tornará cada vez mais forte e que a relação é baseada em respeito mútuo e no desenvolvimento de ambos os povos.
O ministro da Secom, Edinho Silva, já havia dito que o governo considera o episódio superado e que as escutas telefônicas reveladas são de 2011. "A presidenta acabou de chegar de uma viagem produtiva aos Estados Unidos e vários acordos foram fechados. O foco agora é a manutenção das boas relações com os Estados Unidos e os futuros investimentos", disse o ministro.
Segundo o WikiLeaks, a lista inclui o atual ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, que, na época das interceptações telefônicas, era secretário executivo do Ministério da Fazenda. Também foi monitorado o ex-chefe da Casa Civil de Dilma, Antonio Palocci, que foi ministro da Fazenda no governo Luiz Inácio Lula da Silva. Luiz Awazu Pereira da Silva, ex-diretor do Banco Central, também aparece na lista, assim como o ex-ministro das Relações Exteriores Luiz Alberto Figueiredo, que ocupou o cargo entre 2013 e o início de 2015.

SEC acusa brasileiro de operar esquema de pirâmide

A Securities and Exchange Commission (SEC), que regula o mercado de capitais dos Estados Unidos, abriu um processo em uma Corte Federal em Boston no qual acusa a DFRF Enterprises, empresa fundada pelo brasileiro Daniel Fernandes Rojo Filho, de operar um esquema de pirâmide financeira, também chamado de esquema Ponzi, que já levantou US$ 15 milhões desde meados de 2014 oferecendo retorno de 15% ao mês com base em minas de ouro.
Empresário Daniel Filho afirma em site que empresa é vítima de conspiração
Complô: Empresário Daniel Filho afirma em site que empresa é vítima de conspiração
A DFRF, nome formado pelas iniciais do fundador, é acusada de fraudes na comunidade latina em Estados como Flórida e Massachusetts. A empresa alegava ter mais de 50 minas de ouro no Brasil e na África, de acordo com os documentos divulgados pela SEC. O processo destaca que, em um vídeo no YouTube postado em outubro de 2014, Filho alegava que suas reservas de ouro no Brasil eram avaliadas em US$ 4,2 bilhões.As receitas da empresa, porém, não vinham da extração do metal ou dos negócios com ouro, mas da venda de títulos de membros a investidores dessas comunidades nos EUA, que falavam português e espanhol.O esquema de pirâmide levantou mais de US$ 15 milhões, de 1,4 mil investidores desde meados de 2014, de acordo com o comunicado da SEC. Apenas em maio deste ano, a empresa levantou US$ 4,2 milhões de novos aplicadores. Novos participantes eram estimulados a buscar outros membros, de modo a manter os recursos fluindo e os primeiros recrutadores recebiam uma comissão.A SEC acusa ainda Daniel Filho, 47 anos, de ter gasto US$ 6 milhões de seus investidores para comprar carros luxuosos e outros itens pessoais valiosos. O brasileiro teve seus ativos congelados, de acordo com o comunicado. O processo cita que Filho tem outras acusações nos EUA, incluindo uma participação em tráfico de drogas e lavagem de dinheiro em 2010. O documento da SEC relata ainda que a DFRF iludia potenciais aplicadores afirmando que o dinheiro investido estaria completamente coberto por um seguro e que a companhia tinha uma linha de crédito com um banco na Suíça. Além disso, um quarto do lucro da DFRF estaria sendo destinado para caridade na África."A DFRF e seus promotores falsamente alegavam que estavam tocando minas lucrativas de ouro, quando na realidade estavam operando um esquema de pirâmide", afirma o diretor regional da SEC em Boston, John Dugan, em um comunicado à imprensa. O site da empresa, em português, oferece retorno de 15% ao mês e tem uma série de vídeos descrevendo a operação e falando do seguro dos recursos e do banco suíço.Esquema. O brasileiro é residente na Flórida e orquestrou o esquema de pirâmide com outras seis pessoas, segundo a SEC, incluindo Gaspar Jesus, de Massachusetts, e Romildo Da Cunha, do Brasil, todos processados pela SEC. A empresa vendia os títulos de membro a investidores em reuniões em hotéis em Boston, cidade que tem uma comunidade grande de brasileiros, e em outras regiões. Os papéis também eram oferecidos em vídeos na internet.Filho alegava que a DFRF tinha registro na SEC e que iria abrir o capital. Em outros vídeos, a empresa era apresentada como uma companhia que tinha ações em bolsa com valor que não parava de subir, mas o código do papel não poderia ser relevado para "nossa proteção e sua proteção".O Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, tentou contato com a empresa por e-mail para informações e por um número de telefone em Miami disponível no site. A companhia não respondeu o e-mail até o fechamento desta edição O telefone foi atendido por uma mensagem que afirma que a empresa "está fechada". Ontem foi feriado nos EUA, antecipando o dia da Independência.A página da empresa no Facebook tem 1,1 mil seguidores. Os posts mostram a companhia, com vídeos em português e espanhol. Um dos seguidores em comentário postado quinta-feira dizia que o FBI deve prender o empresário. Já outro comentário, do dia anterior, dizia que o projeto é "fantástico". O processo da SEC foi aberto em Boston no dia 30, mas só veio a público agora.Resposta. Em extenso comunicado divulgado ontem no site da DFRF, Filho afirma que a empresa enfrenta uma "conspiração aberta para nos derrubarem". "Caso toda operação nos Estados Unidos sofra intervenções, não afetará absolutamente em nada nossa performance no mercado mundial", afirma o brasileiro no texto. "Já cuidamos em realocar toda a nossa plataforma de processamentos fora do País há mais de 3 meses, portanto estamos seguros, especialmente com uma 'liquidez' extraordinária."O comunicado diz ainda que a DFRF tem "ativos hoje de forma líquida e espalhados por 29 países". "Mesmo que tivéssemos que paralisar toda e qualquer produção, já temos ouro físico e muito dinheiro suficiente para manter e suportar todos os membros pelos próximos 200 anos", afirma Filho.O empresário promete liquidar as operações dos investidores apenas nos EUA e no "restante do mundo" os negócios seguirão normais. Segundo ele, a companhia pode ter que mudar a listagem das ações para outro país e, somente por essa possibilidade, houve forte valorização dos papéis ontem. A SEC afirma que a empresa não tem registro no órgão regulador, portanto, não pode ter ações nos EUA.

Show pornô em universidade escandaliza Buenos Aires

Um momento do espetáculo na faculdade argentina.© TWITTER Um momento do espetáculo na faculdade argentina.
De repente, quando já havia anoitecido na Argentina, mas o relógio marcava 19h30 na última quarta-feira, homens e mulheres nus entraram no átrio da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade de Buenos Aires (UBA) e começaram a ter relações sexuais, incluindo sexo grupal e sadomasoquismo. Centenas de estudantes e professores, surpresos, atraídos ou indignados, começaram a tirar fotos, gravar vídeos e publicá-los nas redes sociais. Era uma exibição “pós-pornô”, um movimento internacional de crítica à pornografia tradicional a partir de um "olhar feminista e subversivo", segundo uma das protagonistas do show que chocou a Argentina, a jornalista e pesquisadora acadêmica Laura Martino. Um grupo espanhol “pós-pornô”, o PostOp, também participou da performance.
    Não que a UBA seja um espaço conservador, mas a apresentação incendiou o debate entre as autoridades da Faculdade de Ciências Sociais, kirchneristas, e os militantes que dominam o centro de estudantes, trotskistas. Estes últimos se queixaram de que os protagonistas da cena fizeram sexo sobre as mesas onde são discutidos seus cargos políticos dentro do átrio e até mesmo urinaram sobre elas e se recusaram a limpá-las. As redes sociais ficaram repletas de comentários de rejeição, apoio e piadas.
    A faculdade explicou que o “pós-pornô” fazia parte de um ciclo cultural chamado ‘Quarta-feira de Prazer’, que começou em 2012, e que é organizado pelos pesquisadores, professores e estudantes da área de comunicação, gênero e sexualidade. "A atividade 'pós-pornô’ foi programada, como as anteriores, em um espaço fechado de sala de aula, como uma intervenção artística de vanguarda acompanhada de debate acadêmico", esclareceram as autoridades, acrescentando que identificarão os responsáveis que fizeram a apresentação em pleno átrio. Além disso, também pediram desculpas "se qualquer sensibilidade foi ferida pelo fato de uma parte da atividade ter sido realizada fora do espaço inicialmente designado". As estrelas do show defenderam a decisão de provocar, ao fazer a apresentação em um espaço aberto, por onde passam todos os alunos e professores, com o argumento de que buscavam mostrar o sexo em um lugar dominado pelas bandeiras e cartazes dos partidos políticos.
    "Se for uma forma de defender a universidade, talvez sirva para unir”, brincou uma autoridade
    "A universidade pública é um espaço de liberdade irrestrita, de pluralidade ideológica e troca permanente de ideias. É uma comunidade integrada por pessoas adultas que frequentam cada sala de aula, auditório ou espaço de uso público com pleno conhecimento dos conteúdos de cada proposta", justificou a Faculdade de Ciências Sociais. Por outro lado, o reitor da universidade, Alberto Barbieri, foi mais duro: "Se necessário, vamos punir os responsáveis".
    O Ministro da Educação da Argentina, Alberto Sileoni, entrou na polêmica ao dizer que "as autoridades universitárias disseram que não houve autorização" e, portanto, defendeu "alguma forma de sanção". Reconheceu que alguns alunos poderiam ter se "incomodado ou ofendido" pelo show. Já o chefe de Gabinete do Governo de Cristina Fernández de Kirchner, Aníbal Fernández, levou em tom de brincadeira: "Não estou nem aí para os ‘pós-pornô’ nem para os 'pré-pornô'. Se for uma forma de defender a universidade pública, lá fora [talvez] até seja [possível] agarrar [unir] alguém”. Pode ser que a próxima apresentação da 'Quarta-feira de Prazer’ na faculdade tenha mais participantes do que antes.

    Eduardo Cunha diz que reuniões com Aécio trataram de 'pautas para o futuro'

    Brasília - O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse há pouco que suas conversas com o presidente nacional do PSDB, o senador mineiro Aécio Neves, trataram de "reforma política, terceirização e até debates sobre a tese de parlamentarismo". Por meio de uma rede social, Cunha afirmou que vinha a público relatar suas conversas com Aécio para "esclarecer e evitar que fofocas aumentem".
    Foi uma referência indireta a informação revelada hoje pelo 'Estado' de que lideranças do PMDB têm iniciado conversas com líderes do PSDB para tratar de um cenário em que o vice-presidente Michel Temer (PMDB) venha a substituir Dilma Rousseff na Presidência da República.
    Eduardo Cunha: Presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha disse que sua conversa com Aécio Neves não envolveu futuros cenários de crise política
    “Nunca conversei com Aécio sobre cenários futuros de crise. As minhas conversas com Aécio e outros tratam das votações e ideias de pautas para o futuro", escreveu Cunha.
    Ele citou temas que têm sido alvos de projetos que foram votados e discutidos nas últimas semanas na Câmara dos Deputados, como a reforma política, a terceirização e a troca do regime presidencialista pelo parlamentarista.
    "Agora cenários de crise, realmente não foi (sic) palco de nenhuma conversa minha com Aécio", escreveu Cunha, que é o terceiro na escala de sucessão presidencial. Em sua conta pessoal em rede social, Cunha descreve a si mesmo como "evangélico, economista, defensor da vida, da família e do Rio de Janeiro".

    7 péssimas notícias que Dilma recebeu em 6 meses de governo

    A presidente Dilma Rousseff
    São Paulo – O segundo mandato da presidente Dilma Rousseff começou conturbado. Em seis meses de governo, a petista já precisou enfrentar dificuldades de peso, como as acusações da Operação Lava Jato, as brigas políticas com o Congresso e as denúncias de irregularidades nas contas públicas.
    Com a popularidade em baixa, Dilma tenta agora dar destaque a uma agenda positiva, na esperança de deixar ao menos parte da maré de azar para trás.
    Veja a seguir sete notícias ruins para Dilma que dominaram o noticiário político nos seis primeiros meses do segundo mandato da petista:
    Ajuste fiscalRecém-eleita e com uma economia cheia de problemas nas mãos, a presidente Dilma se viu obrigada a lançar uma série de ajustes fiscais, com o objetivo de arrumar as contas públicas. As propostas são naturalmente impopulares, o que acirrou os ânimos num momento em que o país já se dividia, após eleições apertadas.
    O ajuste fiscal ficou a cargo do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e inclui medidas como maior restrição ao seguro-desemprego e cortes em programas como o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e o Fies (Programa de Financiamento Estudantil).
    Eduardo Cunha presidente da CâmaraUma das principais derrotas do governo Dilma nesses primeiros seis meses de mandato foia eleição de Eduardo Cunha (PMDB) para a presidência da Câmara dos Deputados
    Apesar de seu partido compor a base aliada, Cunha já se posicionou como “independente” em relação ao Palácio do Planalto. Ele liderou o chamado “blocão”, grupo de parlamentares descontentes com o governo, e chegou a impor derrotas importantes à presidente.
    A fim de evitar sua vitória, Dilma patrocinou a campanha de Arlindo Chinaglia (PT) para o cargo. Mas não deu certo. Eduardo Cunha foi eleito em primeiro turno e saiu da eleição muito mais forte do que entrou. A derrota já tem custado caro à presidente, que enfrenta dificuldades para aprovar projetos de interesse do governo.
    Operação Lava JatoComo se não bastassem as notícias ruins vindas da economia, a Operação Lava Jato ganhou fôlego no início do segundo mandato de Dilma, levantando suspeitas contra nomes próximos à presidente e figuras importantes do PT. 
    Em junho, o presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, foi preso na operação, o que acendeu o sinal vermelho no partido, devido à proximidade entre o empresário e o ex-presidente Lula.
    Meses antes, o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto já havia sido detido sob suspeita de participar do esquema de corrupção e pagamento de propina envolvendo a Petrobras. Outros nomes importantes da política brasileira aparecem na lista de investigados, dentre eles o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB).
    PetrobrasA presidente Dilma também encontrou problemas em outra frente no início deste segundo mandato: a Petrobras. Assolada por denúncias de corrupção na estatal, a presidente da empresa, Maria das Graças Foster, renunciou ao cargo, após semanas de muita pressão. Graça Foster era mulher de confiança da presidente, e sua saída foi vista como uma derrota dura para Dilma.
    Nesta semana, a Petrobras anunciou que vai reduzir os investimentos em 37% nos próximos anos. O esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato deixou um rombo de R$ 6 bilhões para a empresa no ano passado.
    Protestos contra o governoCom um cenário nebuloso como este, a presidente ainda enfrentou uma série de protestos contra seu governo, após pouco mais de dois meses da posse. As primeiras manifestações ocorreram em março, e levaram milhares de pessoas às ruas. Parte dos manifestantes pedia o impeachment da presidente. 
    Após as manifestantes, um grupo de parlamentares aventou a possibilidade de entrar com pedido para tirar a presidente do poder. No entanto, a ideia perdeu força frente aos argumentos de que não haveria justificativas para tanto.
    PEC da BengalaUma das principais derrotas de Dilma Rousseff no Congresso após a eleição de Eduardo Cunha, a aprovação da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) da Bengala pela Câmara tirou poder da presidente. 
    Aprovada em maio, a medida eleva de 70 para 75 anos a idade de aposentadoria compulsória dos ministros dos tribunais superiores. Com a decisão, a presidente Dilma perdeu o direito de indicar cinco ministros para o Supremo Tribunal Federal (STF) até o fim do seu governo. A medida já havia passado no Senado, portanto já começou a valer.
    Rejeição das contas no TCUComo se não bastassem todos esses revezes, no mês passado a presidente foi bombardeada por mais uma surpresa. O TCU (Tribunal de Contas da União) está questionando o governo a respeito das contas fiscais de 2014
    De acordo com o órgão, as contas têm “indícios de irregularidades”. Dilma precisará explicar práticas orçamentárias que, segundo o TCU, violam a lei de responsabilidade fiscal.
    Pior aprovação da históriaCom este cenário de más notícias, a aprovação da presidente Dilma apresentou seu pior resultado desde o primeiro mandato. Pesquisa Datafolha divulgada no mês passado mostrou que 65% do eleitorado avaliava a gestão da presidente como ruim ou péssima. Do outro lado, apenas 10% avaliam o governo da petista como ótimo ou bom. É a maior reprovação desde Collor. 

    Como resposta a um quadro de crise, a presidente iniciou no mês passado uma agenda positiva, com lançamentos de programas nas áreas de infraestrutura e exportação, além de uma nova fase do programa Minha Casa Minha Vida. 

    O objetivo é trabalhar para que os próximos seis meses de governo sejam melhores que os primeiros. De fato, no cenário atual algumas boas notícias não fariam mal a ninguém.

    Parte do PMDB sonda tucanos sobre gestão Temer

    Brasília - Em meio ao processo de descolamento do governo Dilma Rousseff, representantes do PMDB passaram a procurar integrantes da cúpula do PSDB para sondá-la sobre um apoio no caso de o vice-presidente da República, Michel Temer, assumir o comando do governo no lugar da petista em um eventual processo de impedimento.
    Há cerca de dez dias, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso foi o primeiro a ser procurado por um integrante da Executiva Nacional do PMDB para saber sobre a possibilidade de uma aliança informal neste momento. Segundo um peemedebista que teve acesso às conversas, o tucano teria dito que apoiaria uma coalizão em torno de Temer. Ao Estado, o ex-presidente disse: “Não estive em conversa alguma sobre esta questão, nem caberia a mim cogitar do que não está em pauta, apesar de estar preocupado, como qualquer brasileiro, com a instabilidade atualmente prevalecente na política nacional”.
    ctv-xy9-temercriseinstitucionaldida: O vice-presidente Michel Temer (PMDB-SP)
    Além de FHC, o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), foi sondado sobre um possível apoio a um mandato presidencial de Temer por integrantes do PMDB. Para esses peemedebistas, Dilma dificilmente escapará no segundo semestre do processo no Tribunal de Contas da União (TCU) sobre as chamadas “pedaladas fiscais” nas contas do governo em 2014. 
    Segundo peemedebistas, a sondagem a Aécio ocorreu nesta semana, e o tema central foi o processo no TCU. O tribunal deve se reunir entre agosto e setembro para julgar o caso. OEstado procurou a assessoria de imprensa de Aécio, mas não obteve resposta até esta edição ser concluída.
    Delação. Outro fator de instabilidade contra o governo é a delação premiada do dono da construtora UTC, Ricardo Pessoa, alvo da Operação Lava Jato que está hoje em prisão domiciliar. Trechos da colaboração do empreiteiro vieram a público e citam ministros do núcleo duro do Planalto – os titulares da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, que foi tesoureiro do comitê à reeleição de Dilma – como receptores de recursos de caixa 2 para campanhas eleitorais.
    Na quinta-feira, os dois ministros rebateram ataques de lideranças do PMDB e tentaram conter movimentações na legenda pela saída de Temer da articulação política. Em meados de junho, em reunião no Palácio do Jaburu, residência oficial da Vice-Presidência, Mercadante havia pedido a saída do vice do posto estratégico.
    As movimentações do PMDB, segundo relatos, não têm sido orquestradas por Temer, que vive sob pressão de setores do partido para deixar a articulação política do governo nos próximos meses.
    O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), defendeu essa alternativa. A principal queixa pública do partido tem sido a falta de respaldo do Planalto nos acordos negociados pelo vice-presidente com integrantes da base aliada, sobretudo as promessa de cargos e a liberação de emendas parlamentares.
    Um discurso que deverá ser encampado nos próximos dias por alguns peemedebistas é que os problemas enfrentados na articulação política podem inclusive atrapalhar as pretensões do partido em lançar uma candidatura própria nas próximas eleições presidenciais, uma vez que a legenda passaria a imagem para potenciais aliados de que o partido não é cumpridor de promessas.

    sábado, 4 de julho de 2015

    Chuva continua e temperatura cai na região, prevê meteorologia

     

       


    A chuva continua e a temperatura cai nestesábado (4), na região de Sorocaba. Essa instabilidade no tempo, provocada por frentes frias desde dia 1º, deverá se estender ao longo da próxima semana.

    Segundo Neide Oliveira, do Instituto Nacional de Meteorologia, na madrugada deste sábado ainda há possibilidade de fortes pancadas, seguidas de chuvisco ao longo do dia e à noite. A temperatura mínima deve ser de 8°C e a máxima entre 11 e 12°C.

    A chuva só terá trégua no domingo, mas o céu continuará bastante encoberto, quando a temperatura máxima sobe para os 17°C, prevê a meteorologista. Pelo menos até a terça-feira, a umidade continua.

    De acordo com Neide, apesar de ser uma época em que tradicionalmente o clima permanece seco, há anos em que o tempo muda. Nos últimos dias, entradas de frentes frias e o transporte de umidade proveniente da Amazônia geraram as precipitações, explica.