sexta-feira, 28 de abril de 2017

Central fala em “maior greve da História”; Bancários denunciam invasão da sede pela PM; veja imagens

viomundo

28 de abril de 2017 às 19h21

  
Polícia Militar de São Paulo invade Sindicato dos Bancários e intimida manifestantes
das assessorias dos sindicatos, via e-mail
Em uma ação covarde, a polícia militar de São Paulo invadiu o Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região nesta sexta-feira (28), por volta das 17h, e intimidou manifestantes sob o argumento de “proteger o patrimônio público”.
Os trabalhadores estavam na porta do Sindicato se manifestando quando cerca de cinco policias militares correram atrás deles e entraram na entidade armados revistando os militantes, de forma truculenta e agressiva.
A ação foi gravada por funcionários da entidade, que tiveram de mostrar seus documentos para policiais que não quiseram se identificar.
“Não podemos aceitar que policiais armados invadam uma entidade dos trabalhadores, ameaçando e pedindo explicações para dirigentes, jornalistas e funcionários. Espero que isso não se repita e vamos denunciar para que isso não ocorra com nenhum trabalhador”, disse Juvandia Moreira, presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região.
Maior greve da história: Milhões de brasileiros param contra as reformas
Em ato histórico, dirigentes da CSB mobilizaram manifestantes em todas as capitais do País
Milhões de trabalhadores atenderam ao chamado das centrais sindicais em todo o Brasil e não compareceram ao trabalho, deixando as ruas, empresas e lojas desertas na histórica greve do dia 28 de abril.
Ao mesmo tempo, dirigentes de centrais sindicais, sindicatos, confederações, federações, representações variadas e milhares de trabalhadores saíram às ruas nesta sexta-feira (28) para protestar contra as reformas trabalhista (PL 6787/16) e previdenciária (PEC 287/2016), propostas pelo governo e já em tramitação no Congresso Nacional.
A greve contou com a participação, na avaliação da CSB, de 35 milhões de pessoas.
A CSB mobilizou suas bases e a população em todos os estados.
“Em todas as capitais do Brasil e em centenas de municípios, trabalhadores foram às ruas para dizer ao governo federal, ao Congresso Nacional, que parem com essa história de acabar com o direito dos trabalhadores e destruir a Previdência Social dos trabalhadores. Hoje é um dia de orgulho para você, trabalhador brasileiro”, afirmou o presidente da CSB, Antonio Neto.
O movimento nas capitais e em várias cidades foi até menor do que em feriados.
“Essa foi a resposta dada. É bom o governo central, o Congresso Nacional, atentarem para isso, que é um ‘esquenta’. Estamos dizendo em alto e bom som: O som rouco das ruas dizendo a vocês, parlamentares, governantes, que é chegada a hora de respeitar o direito dos trabalhadores e pensar num país justo, solidário, desenvolvido, com inclusão social e crescimento econômico. É isso que vai resolver o problema do Brasil”, analisou o dirigente.
O País parou. Principais ruas, avenidas, empresas, comércios e serviços em geral permaneceram fechados por todo o dia.
O sistema de transporte das cidades também cruzou os braços e aderiu à greve.
No Rio de Janeiro, manifestantes concentraram-se na Cinelândia. Servidores públicos e professores passaram da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro) para a Candelária, na avenida Presidente Vargas. No entorno da Rodoviária Novo Rio, populares fecharam as vias no início da manhã. A ponte Rio-Niterói foi fechada durante as primeiras horas.
Em São Paulo, os ônibus não funcionaram, trens e metrô tiveram capacidade reduzida. O rodízio municipal de veículos foi suspenso. As rodovias Anchieta, Dutra, Régis Bittencourt e Anhanguera foram bloqueadas por protestos. Na capital, houve registro de atos na avenida João Dias e na Estrada de Itapecerica.
Em Guarulhos, 700 ônibus não saíram das garagens e 99 linhas ficaram paradas.
Belo Horizonte amanheceu com paralisação parcial de ônibus. Manifestantes se reuniram pela manhã na praça Sete, no centro da capital mineira, o que interrompeu o fluxo da região. O Anel Rodoviário de Belo Horizonte foi fechado por três vezes.
Em Brasília, ônibus e metrô não circularam. Os acessos do Aeroporto Internacional de Brasília Juscelino Kubitscheck foram interditados. Diversos estabelecimentos comerciais foram fechados. Na maior parte do dia, nenhum carro conseguiu trafegar a partir da rodoviária no sentido Congresso Nacional, por meio da Esplanada dos Ministérios.
O balanço do dia é de sucesso e de grande adesão. “Eu quero parabenizar todos os dirigentes da CSB, todos os militantes da CSB, o povo trabalhador do Brasil, as centrais coirmãs por essa grande vitória, essa demonstração de qualidade na sua organização, de compromisso com a história do povo trabalhador na defesa da CLT, na defesa dos direitos dos trabalhadores e da Previdência Social”, finalizou Neto.
Leia também:

Nenhum comentário:

Postar um comentário