sexta-feira, 19 de maio de 2017

Delator diz que ouviu de Temer que presidente poderia auxiliar Cunha no STF

Joesley Batista relatou que, durante conversa no Palácio do Jaburu, presidente falou que poderia ajudar deputado cassado com 'um ou dois ministros'. Presidente nega.

Depoimento de Joesley Batista - INQ 4483 / AC 4315 - 00002-2-07-04-2017
O empresário Joesley Batista afirmou em depoimento de delação premiada que ouviu em conversa com Michel Temer que o presidente poderia "ajudar" o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) junto a dois ministos do Supremo Tribunal Federal (STF).
A afirmação está em um dos vídeos dos depoimentos do empresário à Procuradoria-Geral da República, tornados públicos nesta sexta-feira (19) pelo Supremo Tribunal Federal (STF).
De acordo com o empresário, na conversa que teve com Temer - e que foi gravada por ele -, o presidente disse que poderia auxilia Cunha com "um ou dois" ministros da Corte.
"Ele me fez um comentário curioso que foi o seguinte: 'Eduardo quer que eu ajude ele no Supremo poxa. Eu posso ajudar com um ou dois, com 11 não dá'. Também fiquei calado, ouvindo. Não sei como o presidente poderia ajudá-lo", afirmou Batista.
Em nota, a Secretaria de Imprensa da Presidência da República respondeu: "O presidente diz na gravação que não ajudou. Basta ouvir."
No relato feito por Joesley à PGR, ele não fala sobre quais ministros o presidente se referiu na conversa, nem dá mais detalhes sobre a que tipo de ajuda Temer se referia.
Em ofício enviado nesta quinta-feira (18) ao Supremo, no qual pediu acesso ao conteúdo da gravação, o presidente afirmou ter sido alvo de "interceptação ilícita" por parte de Joesley Batista.
Em um pronunciamento no Palácio do Planalto, também nesta quinta, no qual disse que não renunciará à Presidência da República, Temer disse que a gravação era "clandestina".
No áudio da conversa entre os dois, e que foi entregue por Joesley à PGR, não é possível identificar, em nenhum trecho, se Temer falou sobre a ajuda a Cunha. Na gravação, há diversos ruídos que impedem a compreensão do que foi dito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário