quarta-feira, 24 de maio de 2017

SP invisível

Jornalistas Livres compartilhou a publicação de SP invisível.
9 h
Dos queridos amigos e companheiros do SP Invisível, sempre solidários à população de rua.
SP invisível
13 h
ar. Tratava-se de uma ação da prefeitura e do governo estadual que enviou mais de 600 policiais para retirarem os dependentes químicos da região, através de muita violência. O resultado da ação foi: pessoas feridas, um centro militarizado e a distribuição da cracolândia para vários outros lugares.
A prefeitura se orgulha em dizer que colocou o fim na cracolândia, porém, basta andar um pouquinho pelo centro da cidade para ver que ela apenas migrou para outros lugares próximos como a Pinacoteca, a praça Princesa Isabel, o Glicério ou a praça da Sé.
Essas pessoas não foram acolhidas, como disse a secretaria de assistência social da prefeitura de São Paulo, elas se espalharam. As poucas pessoas que foram para os programas de acolhimento, dormem no chão frio no espaço concedido pela gestão João Dória.
Hoje ainda, um prédio na cracolândia foi demolido sem aviso prévio de esvaziamento sob ordens do prefeito João Dória e do governador Geraldo Alckmin. Duas pessoas estavam dentro do edifício no momento e foram feridas.
O SP invisivel acredita que a cracolândia é uma questão a ser solucionada, mas não através de uma segurança pública violenta, truculenta, que invisibiliza e silencia as vidas.
Convidamos a todos e todas para ir as ruas e ouvir essas pessoas que são vítimas da frieza do Estado para saber o que realmente vivem, como fazemos no SP Invisivel, e não se contentarem com as informações oferecidas. #ACidadeQueNinguemVe #SPinvisivel

Nenhum comentário:

Postar um comentário