quinta-feira, 1 de junho de 2017

Dialogando com os organizadores do ato -show pelas Diretas Já no Largo da Batata.

O ato-show que ocorrerá pelas diretas  no largo da Batata trouxe uma velha polemica: a da exclusão de partidos e sindicatos de sua organização.Os organizadores querem ampliar o movimento. Independente disto, devemos apoiar este movimento  diante da crítica situação que o Brasil vive e a perspectiva de um "acordão" por cima via eleições indiretas por um Congresso sem condições morais de escolher e dirigir o nosso país neste momento.O poder emana do povo e este principio que funda a democracia que deve ser respeitado e por isto, defendo a eleições diretas
 Diria que este tipo de ação de exclusão de partidos é ruim para a democracia por dois motivos singelos, primeiro qualquer candidato a presidente da Republica precisa estar filiado a um partido político para disputar uma eleição e segundo a existência de um estado democrático etá baseado na tolerância, enfim podemos divergir sem nos agredir e  agir a partir do consenso de modo civilizado.
Este tipo de ação de exclusão de forças vai na contramão disto, e creio pode favorecer, sem que se queira, movimentos que negam a política e que na pratica pode vir a ajudar grupos  de extrema direita. A própria CNBB (Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil) afirma que a saída é pela política e não pela sua negação,
Um dos momentos grandiosos da história do Brasil foi a campanha das Diretas entre o final de 19823 e 1984, creio que deveríamos aprender com a sabedoria de seus organizadores, especialmente Franco Montoro, Teotônio Vilela e Leonel Brizola,entre muitos outros,  o movimento era suprapartidário e tinha um comitê com todas as forças politicas, e junto estavam sindicatos, movimentos populares, artistas e turma do futebol comandada por Osmar Santos e Sócrates.
Esta era aforça do movimento, abraçar a todos e isto foi fundamental para que a campanha das diretas fosse o maior movimento já visto no Brasil.
Lembro que nos últimos movimentos em defesa de nossos direitos e contra a reformas já houve a participação de muitas pessoas de várias colorações partidárias e ideológicas.Na campanha das diretas de 1984 predominava as cores de nossa bandeira, pois era um momento de resgate de nossa identidade, mas conviviam harmoniosamente com as bandeiras de diversos partidos políticos e movimentos sociais.
A história vivida lança luzes para que aprendemos a vivenciar a democracia no próprio movimento que pregamos e assim de fato construir uma saída para o Brasil e um novo pacto de convivência entre as diversas forças políticas.
As diretas já  significa na prática  também o Fora Temer, creio que o movimento deveria ter também como e bandeira o slogan que uniu os Brasileiros:"Nenhum direito a menos".
Estamos no começo do movimento e devemos  apoiar o movimento dos artistas, mas também dialogar para que entendam que não construiremos uma saída para nosso país se negarmos os partidos e se não cultivarmos a tolerância política,.

Nenhum comentário:

Postar um comentário