quinta-feira, 1 de junho de 2017

Na BBC, o manifesto da diplomacia que reage a Temer

caval
Reportagem da BBC registra que “um grupo de 93 diplomatas e 25 oficiais e assistentes de chancelaria do Itamaraty”  divulgou,, uma carta pública criticando o “uso da força” para conter manifestações e pedindo que líderes políticos “abram mão de tentações autoritárias, conveniências e apegos pessoais ou partidários em prol do restabelecimento do pacto democrático no país”.
O texto, diz a reportagem de Ricardo Senra, “foi escrito coletivamente por diplomatas distribuídos por representações brasileiras em diferentes partes do mundo – de Nova York a Moscou -, sem a participação da cúpula do Ministério das Relações Exteriores, chefiado desde março pelo senador Aloysio Nunes (PSDB-SP)”
“Repudiamos o uso da força para reprimir ou inibir manifestações. Cabe ao Estado garantir a segurança dos manifestantes, assim como a integridade do patrimônio público, levando em consideração a proporcionalidade no emprego de forças policiais e o respeito aos direitos e garantias constitucionais”, diz o texto.
Senra diz que o manifesto foi uma reação à nota oficial divulgada pelo Itamaraty na sexta-feira passada, em resposta a críticas feitas por órgãos internacionais de direitos humanos sobre a violência policial no país- agora, digo eu, no melhor estilo brucutu de Nunes – chamando as críticas  do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) e da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) de tendenciosas, cínicas, de má-fé e de term “fins políticos inconfessáveis”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário