quarta-feira, 19 de julho de 2017

A patopia

PATOPIA
Viram a manchete de O Globo?
Aumento de impostos em “exclusiva” para a Miriam Leitão e para a Globo?
Porque se não é para aumentar, claro. é só dizer que não.
Esperar o que, para “bater o martelo”?
O resultado (desastroso) do Tesouro vem num envelopinho lacrado, feito o resultado do Oscar e vai-se abrindo a sobrecarta lentamente: the “rombo” is…
Isto é uma palhaçada, ou uma pataquada, para ficar no simpático bichinho que levou estes sujeitos ao poder.
Estamos numa crise fiscal que não tem saída apenas com um monstruoso corte nos gastos e investimentos públicos, por pior e cruel que seja.
Não é possível querer uma sociedade com padrões mínimos de sanidade e um país que seja capaz de fomentar o desenvolvimento se não houver recursos públicos para isso.
Desenvolvimento e civilização sem impostos é só mesmo para os tolos da “patopia” que, aliás, reclamam dos impostos que o povão paga quando adquire seus produtos e serviços e eles apenas recolhem, com dó de não ficar com eles também.
Faz anos que estamos vivendo de remendos em um estrutura tributária. Quem duvidar, vá lá no blog do Ibre-FGV, que apesar do Getulio Vargas no nome a Fundação é super “mercadista” e verá que estamos vivendo em cerca de 30% de nossa arrecadação em “receitas extraordinárias”, isto é, o “jeitinho da vez”.
E pior, o que se quer fazer é aumentar mais os impostos indiretos, os que são pagos pelo consumido – i.e., a população em geral – e não sobre as rendas de alto valor, o patrimônio, sobre a absurda invenção de que dividendos e  juros sobre capital próprio pagos pelas empresas a seus donos devem gozar de isenção, sobre as operações de câmbio onde se joga bilhões diariamente…
Mas os finados patos da Paulista desapareceram, não piam mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário