quarta-feira, 9 de agosto de 2017

PCdoB: Antes de “ovada”, capangas de ACM Neto atacaram manifestantes

viomundo

09 de agosto de 2017 às 09h06

  
A vereadora Aladilce Souza deixou registrado nos anais da Câmara seu protesto contra a entrega do título a Doria
Nota de esclarecimento sobre a “ovada” em Doria
O prefeito de São Paulo acusou a vereadora do PCdoB de ter organizado a “ovada de que foi alvo”.
Não é verdade.
O ato realizado na noite do dia 07/08 foi organizado formalmente pela Frente Brasil Popular da Bahia, com convocatória amplamente difundida nas redes sociais, e conduzido na oportunidade por membros da coordenação da referida Frente.
A manifestação tinha objetivo claramente definido: protestar contra a entrega do título de cidadão soteropolitano a uma pessoa que não tem nenhum serviço prestado à cidade, o que se exige para o recebimento dessa homenagem.
E durante o ato foi repetido seguidas vezes que aquele que manda despejar jatos de água fria em moradores de rua, que manda derrubar casarões com pessoas pobres dentro, que manda invadir ocupações com espancamento de mulheres, idosos e crianças, não merece tamanha honraria.
Foi lembrado também que Dória, quando presidente da Embratur, no governo Sarney, propôs transformar a miséria do nordeste em atração turística – um verdadeiro escárnio contra a povo da região.
É necessário esclarecer a opinião pública o que até agora não foi divulgado.
A tal “ovada” que atingiu o prefeito não foi uma iniciativa que veio do nada. Enquanto acontecia a manifestação de maneira pacífica, cerca de 60 capangas contratados pelo prefeito ACM Neto (da mesma tradição do avô) receberam ordens para invadir a área dos manifestantes para tomarem na marra o Nano Trio (uma minitrio elétrico) trazido pela Frente Brasil Popular.
Neste momento dezenas de jovens, mulheres e idosos foram covardemente espancados pelos prepostos do prefeito, tendo um deles quebrado a perna. E essa milícia particular soltou bombas, gases, socos e pontapés, provocando um verdadeiro terror, típico dos períodos da ditadura.
Foi aí que surgiu espontaneamente de alguns manifestantes a iniciativa de revidar jogando ovos, um dos quais atingiu o prefeito que veio fazer campanha eleitoral quando deveria estar trabalhando.
Registramos nosso repúdio ao prefeito de Salvador pela violência característica de seus métodos de fazer política e as bravatas de Dória contra nossa a vereadora.
Aladilce tem um mandato a serviço dos trabalhadores, contra a venda da cidade a interesses empresariais patrocinada por ACM Neto e em defesa da democracia.
Portanto conta com nossa integral solidariedade.
Comitê Municipal e Estadual do PCdoB de Salvador
Salvador, 08/08/2017
‘Deu até pena do ovo, era novinho’, diz manifestante que arremessou contra Doria
A Câmara Municipal de Salvador identificou três manifestantes que teriam atirado ovos no prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), na noite desta segunda-feira (7) em Salvador.
O prefeito paulistano foi à Bahia receber um título de cidadão soteropolitano, mas foi recebido com protestos, vaias e atingido por ovos na Praça Municipal.
Os três manifestantes sofrerão uma punição administrativa: serão proibidos de entrar no prédio da Câmara de Salvador até o final deste ano. O ato com a punição será publicado no Diário Oficial nesta quarta-feira (9).
O produtor cultural Eucimar Freitas, militante do PT e membro do Conselho Municipal de Cultura de Salvador, foi um dos punidos. Ele admite ter arremessado ovos contra o prefeito de São Paulo, mas diz não saber se foi o seu que o atingiu.
“Deu até pena do ovo. Era novinho”, disse Freitas à Folha, classificando o protesto como pacífico, legítimo e espontâneo –ele diz que não houve participação de vereadores organização da manifestação.
O manifestante ainda criticou a punição imposta pelo Legislativo municipal. Diz que os ovos foram arremessados contra Doria e que não houve dano ao patrimônio da Câmara.
“Doria agora é patrimônio de Salvador? Pelo que sei, além de maltratar moradores de rua e acabar com a arte em grafite de São Paulo, ele não tem nenhum serviço prestado à nossa cidade”, afirma Freitas.
Os outros dois manifestantes punidos pela Câmara de Salvador são Eudes Oliveira e Jhones Bastos. O primeiro é filiado ao PSOL e é membro do grupo Atitude Quilombola. O segundo é filiado ao PT e faz parte do movimento dos sem-teto.
Eudes Oliveira afirma ter participado do protesto, mas nega que tenha arremessado ovos em Doria: “Vão ter que provar”. A reportagem não conseguiu contato com Jhones Bastos.
O presidente da Câmara Municipal de Salvador, vereador Léo Prates (DEM), afirma que os manifestantes que jogaram os ovos foram identificados por meio de imagens das câmeras de segurança.
“A manifestação é natural e legítima, mas algumas pessoas cometeram excessos. Resolvemos puni-las porque colocaram em risco a segurança dos vereadores e das outras pessoas que ali estavam”, afirmou.
Jhones, Eucimar e Eudes: militantes de primeira linha
TROCA DE ACUSAÇÕES
Os protestos contra João Doria acirraram o clima de disputa entre o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), e o governador da Bahia, Rui Costa (PT). Ambos deverão ser adversários na disputa pelo governo baiano no próximo ano.
O prefeito acusou o governador de ser o “patrocinador” dos protestos contra Doria: “[O protesto] é fruto do desespero, de quem está vendo o poder se esvair. Esse tipo de coisa vai ser dada a resposta ano que vem nas eleições”, afirmou.
Nesta terça-feira (8), o governador negou que estivesse por trás dos protestos contra Doria.
“Isso é coisa da idade, da inexperiência e um certo desespero de quem está tentando tirar o direito previdenciário da população, de quem está tentando tirar os direitos trabalhistas e está percebendo que o povo não está aceitando”, disse em entrevista à imprensa.
O petista ainda classificou a homenagem como um ato de campanha eleitoral de Doria e ACM Neto. E disse que ambos deveriam “estar trabalhando e cuidando das suas cidades”.
“Talvez, para quem não tenha muito para fazer, a prioridade seja fazer campanha eleitoral”, afirmou Costa.
DANÇANDO AXÉ
Depois de participar da sessão solene na Câmara, Doria foi jantar com empresários e aliados do prefeito ACM Neto em um restaurante em Salvador. Lá, dançou passos de axé durante um apresentação da cantora Gilmelândia, ex-Banda Beijo.
O prefeito paulistano deverá voltar à Bahia nos próximos meses para receber um título de cidadão baiano. A proposta é do deputado estadual Adolfo Viana (PSDB) e já foi aprovada pela Assembleia Legislativa
Leia também:

Nenhum comentário:

Postar um comentário