quarta-feira, 26 de julho de 2017

Sem dinheiro, cúpula da Polícia Civil de SP já admite que delegacias podem fechar temporariamente

Diretoria enviou e-mail a departamentos da instituição para sondar quais atividades podem ser suspensas por conta da 'caótica situação orçamentária'. Secretaria diz que já conseguiu verba extra.

Por Will Soares, G1 SP, São Paulo
 

O vazamento de um e-mail interno mostra que a cúpula da Polícia Civil de São Paulo faz planos para encarar a crise financeira na instituição e já admite a possibilidade de delegacias fecharem as portas temporariamente devido à falta de recursos. A diretoria trabalha até com a hipótese da frota de viaturas nas ruas diminuir por não haver dinheiro nem para o combustível.
O e-mail em questão é assinado pelo Delegado Geral de Polícia Adjunto, Waldir Antonio Covino Junior, e destinado aos departamentos da polícia judiciária. Na mensagem, ele diz que a situação atual é “alarmante” e pede que cada setor elabore um plano de contingência de verbas até a próxima sexta-feira (28).
Segundo Covino Junior, o plano emergencial deve considerar as despesas de cada unidade, os recursos financeiros existentes e “as necessidades e compromissos assumidos” para determinar quais atendimentos e atividades policiais serão suspensos - e por qual período.
“Exemplificando: sem possibilidade de novas aquisições de materiais de consumo, quais unidades deverão ser temporariamente suspensas e a partir de qual data; sem recebimento de recursos suplementares para despesas com combustíveis, a partir de quando não será possível abastecer viaturas e aeronaves”, diz o texto.
E-mail enviado por delegado geral adjunto sobre a crise financeira na Polícia Civil (Foto: Reprodução)E-mail enviado por delegado geral adjunto sobre a crise financeira na Polícia Civil (Foto: Reprodução)
E-mail enviado por delegado geral adjunto sobre a crise financeira na Polícia Civil (Foto: Reprodução)
O delegado geral adjunto justifica o pedido logo no começo do e-mail dizendo que “é do conhecimento de todos a caótica situação orçamentária enfrentada pela Polícia Civil no corrente exercício financeiro”.
De acordo com Covino Junior, outros procedimentos foram realizados anteriormente para amenizar a crise, mas não tiveram sucesso. “O que faz com que se avizinhe quadro de absoluta indisponibilidade financeira, até mesmo para amparar despesas essenciais à manutenção das unidades existentes”, projetou.
A Secretaria de Segurança Pública (SSP) garante que "não há falta de recursos para a Polícia Civil". "A mensagem foi precipitada, uma vez que o secretário Mágino Alves já havia solicitado suplementação orçamentária à Secretaria da Fazenda, com aval da Secretaria de Planejamento e Gestão, e o crédito de R$ 4,1 milhões já foi aprovado", afirmou a pasta em nota.
O vazamento do e-mail aconteceu no mesmo dia em que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) entregou 72 novas viaturas para a Polícia Militar e anunciou a autorização para a abertura de dois concursos que vão reforçar os quadros da corporação com mais de 2400 agentes.
A Polícia Civil paulista sofre com a falta de funcionários. Conforme levantamento realizado pelo G1 com dados do Portal da Transparência, a instituição fechou o último mês de maio com cerca de 8,3 mil policiais a menos do que prevê a lei. O governo estadual diz que investe em contratações mesmo com a queda de arrecadação dos últimos anos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário