sábado, 5 de agosto de 2017

Na Alemanha, morre pastor que ajudou vítimas da repressão no Cone Sul

HISTÓRIA

A morte de Heinz Dressel, aos 88 anos, é motivo de tristeza para todas e todos que se empenham pelo respeito aos Direitos Humanos em todos os quadrantes do mundo
por Flavio Aguiar publicado 05/08/2017 11h08, última modificação 05/08/2017 11h09
ARQUIVO PESSOAL
Dressel.jpg
Dressel recebe de Lula a Comenda da Ordem do Mérito de Rio Branco por serviços humanitários a brasileiros na ditadura
Faleceu nesta sexta-feira (4), em Nuremberg, o pastor e teólogo luterano Heinz Dressel, que se notabilizou pela ajuda a presos, perseguidos e exilados do Cone Sul latino-americano durante as ditaduras militares que sacrificaram a democracia na região.
Heinz Dressel nasceu em 28 de setembro de 1929 na região de Obenfranken, na Baviera. Formou-se em Teologia em 1952, e especializou-se em estudos sobre América Latina dentro de uma perspectiva cristã e progressista. Viveu muitos anos em São Leopoldo e Dois Irmãos, no Rio Grande do Sul, tendo dirigido igualmente projetos de formação pastoral naquela região e no Rio de Janeiro. Em 1968 voltou à Alemanha, trabalhando sucessivamente em Frankfurt, Bochum. Tornou-se pároco em Nuremberg, onde se aposentou como pastor, embora tenha continuado a fazer estudos sobre Direitos Humanos na América Latina, Caribe e África. Nesta cidade integrou o Centro de Direitos Humanos e foi redator da revista “Reflexos”.
Ajudou a receber e encaminhar refugiados das ditaduras latino-americanas. Várias vezes viajou a estes países, levando ajuda a presos políticos e perseguidos, encontrando-se com eles até mesmo de forma clandestina e com grande risco pessoal, a exemplo de outros religiosos alemães e europeus que também fizeram o mesmo.
Por sua atuação no campo dos Direitos Humanos, o pastor Heinz Dressel foi condecorado, em 2007, pelos governos do Chile e da Argentina. Em 2008 foi condecorado pelo governo do estado de São Paulo – cujo então governador, José Serra, ele conhecera no exílio. No mesmo ano, em Brasília, recebeu a Comenda da Ordem do Mérito de Rio Branco, no Itamaraty, em presença do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do vice, José Alencar.
Na ocasião, em seu pronunciamento, o pastor Dressel lembrou que a situação dos perseguidos pelas ditaduras latino-americanas poderia ser comparada à dos judeus na Alemanha durante o período nazista. E rememorou o esforço feito pelos governos ditatoriais para erradicar a inteligência em seus países.
Sua morte é motivo de tristeza para todas e todos que se empenham pelo respeito aos Direitos Humanos em todos os quadrantes do mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário